32. La consciència / A consciência

(Reedição de Machadada, 269, com algumas alterações em respeito a primeira tradução)

Por Joan Manuel Serrat.
(Tradução dedicada à Camila)

No-la endossam desde a infância
É partidista e desproporcionada.
Complemento do pecado
e do remordimento,
não nos deixa dormir em paz e nos tira a vontade.

Nos amolda a um roteiro convencional
onde quase nunca somos protagonistas.
A consciência, meus caros,
nos faz esconder nos sótãos
o que deveria estar na vitrina.

Nos bastaria o respeito, a sinceridade
e um bocadinho de benevolência.
Porém, nos penduram, sem alguma necessidade,
o peso da consciência.

É de todo anticonstitucional.
Fomenta a mentira e aliena.
Não nos deixa mover
com espontaneidade.
A quintacolunista do sistema.

Leva-me pelo caminho das pedras limosas.
Não pode deixar-se estar, de passar a conta
nem de beliscar-me os dedos
quando estamos a trocar figurinhas
que a mim me faltam e tu tens repetidas.

Nos seria suficiente o respeito, a sinceridade…

De fora mandam leis e regimentos
e de dentro ela completa a bronca.
Isso não pode lá ir bem.
Logo em seguida vê-se que
alguém quer fazer entrar a chave pelo lado errado.

E quem deve estar por trás de tudo isso?
Que nos confunde as necessidades e os vícios?
Libertemos os sentidos
e, como diz a polícia
investiguemos quem deles aproveita.

La consciència (1984)

Ens l’encolomen des de la infantesa.
És partidista i desproporcionada.
Complement del pecat
i del remordiment,
no ens deixa dormir en pau i ens treu la gana.

Ens emmotlla a un guió convencional
on gairebé mai som protagonistes.
La consciència, senyors,
ens fa amagar a les golfes
el que hauria d’estar a l’aparador.

N’hi hauria prou amb el respecte, la sinceritat
i una miqueta de benevolència.
Però ens pengen, sense cap necessitat,
la llufa de la consciència.

És del tot anticonstitucional.
Fomenta la mentida i aliena.
No ens deixa bellugar
amb espontaneïtat.
La quintacolumnista del sistema.

Em porta pel camí del pedregar.
No se’n pot estar, de passar factura
ni de picar-me els dits
quan estem canviant cromos
que a mi em falten i tu tens repetits.

N’hi hauria prou amb el respecte, la sinceritat
i una miqueta de benevolència.
Però ens pengen, sense cap necessitat,
la llufa de la consciència.

De fora manen lleis i reglaments
i de dins ella completa la «bronca».
Això no pot anar bé.
De seguida es veu que
algú vol fer entrar el clau per la cabota.

Què hi deu haver darrera tot això?
Qui ens confon les necessitats i els vicis?
Alliberem els sentits
i, com diu la policia,
investiguem els qui en treuen profit.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s